sábado, novembro 10, 2007

Oxigénio - I


«Para o caso de uma súbita baixa de pressão na cabina, há máscaras de oxigénio disponíveis nos cacifos superiores.»

" O grande aumento de via­gens aéreas nos últimos 25 anos tornaram estas palavras familiares, embora felizmente poucos tenhamos passado por tal situação. A maio­ria do tráfego aéreo comercial faz-se a uma altitude que ronda os 10 400 metros. O rebentamento de uma janela a essa altitude é acompanhado de um forte estrondo, com o ar a fugir da cabina e a pressão a equili­brar-se com os valores exteriores. Os objectos soltos, e as pessoas que não apertaram os cintos de segurança, podem ser sugados para o exte­rior e a cabina enche-se de uma névoa fina à medida que a temperatura desce para os valores verificados no exterior e o vapor de água contido no ar se vai condensando. É vital colocar rapidamente a máscara de oxigénio, pois o nível de oxigénio dentro dos nossos pulmões cairá abruptamente e perderemos a consciência em menos de trinta segundos. O «tempo útil» durante o qual o piloto pode tomar medidas de cor­recção é ainda menor - uns quinze segundos apenas. Um piloto de avia­ção desmaiou porque deixou cair os óculos quando o cockpit se des­pressurizou repentinamente e ele se dobrou para apanhá-los antes de colocar a máscara. Felizmente, o co-piloto não cometeu o mesmo erro.


A pressão parcial de oxigénio nos pulmões a 10 400 metros e com respiração de ar não pressurizado é de cerca de 20 torr, demasiado baixa para permitir a vida. Respirando-se oxigénio puro, porém, sobe para cerca de 97 torr. Isso é suficiente para sobreviver se nos mantiver­mos quietos, mas não se nos movermos, razão pela qual a tripulação da cabina é ensinada a ficar sentada até o avião retomar o equilíbrio a uma altitude razoável (a outra razão é o avião ser colocado num ângulo íngreme para perder altura rapidamente).

A pouca capacidade de exercício a altitudes elevadas foi ilustrada de forma bastante dramática durante o início da Segunda Guerra Mundial. Embora os artilheiros da retaguarda dos bombardeiros que voavam a 5500 metros permanecessem alerta nos seus postos respiran­do ar, quando tentaram rastejar até à parte principal do avião, muitos desmaiaram. Isso sucedeu porque a maior quantidade de oxigénio exigida pelos músculos em movimento não pôde ser satisfeita pela maior absorção do ar e a quantidade de oxigénio que chegava ao cére­bro não era suficiente para que continuassem conscientes. Desde que uma pessoa permaneça imóvel, porém, é possível ascender aos 7000 metros respirando ar numa aeronave não pressurizada sem perder a consciência; altitude que, convém não esquecer, é muito inferior à do cume do Evereste.


Mais insidiosa do que a despressurização instantânea é a lenta baixa de pressão dentro da cabina, porque a redução progressiva da concentração de oxigénio pode não ser notada imediatamente. O pilo­to pode não reparar que há problema e por conseguinte não tomar medidas correctivas. Como os primeiros balonistas descreveram tão eloquentemente, essa privação gradual de oxigénio pode originar uma sensação de euforia, levando à desconcentração e à dificuldade de raciocínio. Acabará por causar perda de força muscular, inconsciência, coma e morte. Esses efeitos resultam da incapacidade de o corpo se ajustar com a rapidez necessária à menor concentração de oxigénio do ar a grandes altitudes."

"Desafiar os limites - A ciência da sobrevivência " - Frances Ashcroft

4 Comments:

Blogger Rui Caetano said...

Quando nos passa pela cabeça desafiar os limites, é o sinal de que quem nos guia nesta vida somos nós e mais ninguém. Os limites são nossos.

5:20 da tarde  
Blogger Chahy said...

ADOREI! Apesar de achar que cada um sabe onde está a fronteira do limite, ultrapassa-los faz-nos sentir Deuses... ou destroi-nos!

6:07 da tarde  
Blogger Paulo Sempre said...

Não há limites universais. Cada um tem o seu próprio limite..

Um blogue, interessante. É mesmo para voltar.
Abraço

10:59 da tarde  
Blogger paper-life said...

ÇPois, o pior é quando os limites nos ultrapassma e temos de "correr mais que um furacão vindo do México..." num voo Colômbia/Miami e a pressão se avaria assim, simplesmente, sem janelas partidas e os tímpanos parecem estoirar (as dores ainda as lembro...)

Depois (pura sorte) o alívio. Aterrámos! Na alegria, toda a gente corre para a saída. Curiosamete as hospedeiras foram as primeiras.

Foi preciso is buscá-las às escadas para me darem oxigénio.

Dizem que desci para o aeroporto a gritar. Olá meu Povo!

(confesso: não me lembro)

Mas voltei a voar. No dia seguinte e em muitos outros. :)

3:07 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home