quinta-feira, novembro 02, 2006

Maresias




Cada um de nós tem o seu mar:

de esperanças,
de profundesas,
de desejos,
de arrelias
no fundo é o mar da vida.

Muitas das vezes aquilo que surge à tona de
água é reflexo do sol na ondulação do nosso mar,
outras vezes é o ceú enublado reflectido no olhar.

Combinado com as correntes submersas temos mais ou
menos ondulação, e o humor varia no dia a dia.

O efeito da Lua é por vezes determinante nalguns seres humanos,
nas marés.

E isto de mar à ir e voltar.

Engraçado é mergulhar em águas profundas e testar os limites a que somos
submetidos.

Bem no fundo descobrimos algumas arcas que nos revelam vários cúmulos:

O da rapidez, trancar a arca e deixar a chave lá dentro.

O da hipocrisia, criar um programa de seringas na prisão e dizer que a droga é ilícita.

O da preocupação ambiental é legislar para a co-inceneração nas cimenteiras
e deixar de fora as centrais de queima de resíduos perigosos.

Bem deixa-me emergir que o ambiente está a ficar muito poluído.



Um livro para esta semana:

Desafiar os limites
Frances Ashcroft
Bizâncio
2006

Sobre o livro:
Desafiar os Limites é uma obra que se lê com aterrorizado prazer… Ensinando-nos simultaneamente, eis uma cientista que nos prende da primeira à última página contando-nos extraordinárias histórias de aventuras… Testemunho da tenacidade da raça humana, este livro demonstra-nos os resultados da poderosa mistura entre o engenho, o heroísmo e a determinação.
Literary Review

Uma mistura bem conseguida entre explicações científicas e histórias de ousadia…Lê-se por vezes como um macabro guia de sobrevivência pois Desafiar os Limites explica-nos o que fazer a bordo de um navio a afundar-se, num avião que se despressurizou, como dormir no espaço a bordo de uma nave espacial, como sobreviver ao calor excessivo ou ao frio insuportável. Para potenciais exploradores – ancorados nos seus sofás ou estendidos na praia – este livro é a leitura ideal e ensina de forma muito divertida os meandros da Fisiologia.
The Economist

13 Comments:

Blogger Isabel said...

Prometo que irei investigar a tua sugestão. De facto cada um tem o seu mar Mas eu gosto de navegar aqui no teu tambem.

Isabel

2:55 da tarde  
Blogger Teresa Durães said...

Morreu mais um alpinista português no "Trono dos Deuses" (?) numa expedição com o João Garcia.

"Numa expedição existe a subida e a descida", disse o João Garcia

Contudo, alpinismo ou outro desporto, arte, paixão de vida mesmo que traga a morte como trouxe a este alpinista faz-me respeitar profundamente estes amantes de corpo inteiro. Gente sólida psicologicamente, gente de corpo inteiro.

E porquê?

Qual é a diferença entre ele e eu, por exemplo?

(qual o custo de uma subida na montanha e a vida do dia a dia que fazemos ou a maratona?)

Eu não tenho feitio para atleta de competição e já tive oportunidade para ser.

- Porque é preciso saber quem sou
- Acreditar em mim
- Saber o que está no fundo do meu ser
- Debaixo desse imenso oceano
- O que a lua me provoca
- E a discussão com o amigo
- E manter sempre a concentração no objectivo
- E querer querer querer
- Quantos de nós?

Eu não, eu sou um mar de emoções perdidas e uma alma carente, muita vezes sem confiança, outras nem tanta.

Às vezes um barco à deriva, outras na corrente

Boa tarde

3:04 da tarde  
Blogger Teresa Durães said...

Olá boa noite

Penso que morreu na descida porque segundo o artigo que li (claro que pode ter sido romanceado) chegou a atingir o dito cume...

:)

bom fim de semana

4:55 da manhã  
Blogger Isabel Magalhães said...

Foi o seu comentário no post "No man´s land" da TD que me trouxe aqui.

Subscrevo-o. Só gostaria de acrescentar que trinta anos depois- eu tenho filhos nos 30's - continuo a admirar-me com os que escolhem partidos totalitaristas.

Como dizia o 'outro'...

"É o povo que explora o povo"!

Do mar gosto... é uma das minhas fontes de referência. Enfim... coisas! :)

Navegar é preciso.


Bom fim de semana para si.

3:22 da tarde  
Blogger naoseiquenome usar said...

Eu diria:
"Cada um tem a sua cruz"
:)

Beijo

1:17 da manhã  
Blogger Mina said...

É verdade, mas é sempre bom conhecer outros mares :)
Boa semana!

10:33 da manhã  
Blogger Sea said...

navegar, navegar, ir ao fundo e voltar?
boa semana

3:06 da tarde  
Blogger Isabel said...

Hoje vim aqui simplesmente para te pedir que passes lá na minha casa pois tenho lá um agradecimento para ti e para todos os que como tu me lêem. Achei que estava na altura de o fazer, achei que o mereciam e achei que queria e devia faze-lo.

Espero "ver-te" por lá.

Isabel

3:27 da tarde  
Blogger mnemosyne said...

Gostei de marear por estas linhas... Beijo

11:43 da manhã  
Blogger Isabel said...

Continua hoje a minha história " Começar de novo", a tal que te faz lembrar uma novela.

Vem ler se gostaste do primeiro excerto.

Até breve.

Isabel

5:47 da tarde  
Blogger yora said...

É preciso coragem para conseguir mergulhar tão fundo. Mas é bom que alguém o faça, para emergir e vir a tona mostrar-nos os tesouros que o preenchem.
É bom abrir tesouros! É bom conhecer o novo, reconhecer o desconhecido!
Abraço

4:59 da tarde  
Blogger Cassiopeia said...

Quando o mar e a hipócrisia aparecem juntos, o mundo está prestes a rebentar. ;)

Regressarei em breve com novos poemas no cesto.

Beijo
Cassiopeia

5:02 da tarde  
Blogger maresia said...

o mar não é de ninguém e ninguém pode ter um seu de uma coisa que não é de ninguém.

3:40 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home